Ressaltar os crimes mais marcantes do ano é uma tarefa difícil, já que estar vulnerável à violência cotidiana é um assunto delicado. Nesta retrospectiva, vamos lembrar dos casos que fizeram a população poços-caldense sentir a dor da vítima, com movimentos de solidariedade e revolta.

Ana Lícia

O crime mais chocante do ano é o da pequena Ana Lívia Lopes da Silva, de apenas 3 anos, morta espancada pelo padrasto Christhopher Anthony Tavares Coelho, de 27 anos, e sem o socorro da própria mãe, Letícia Lopes Fonseca, de 19. O crime aconteceu dia 15 de junho.

Pela manhã Christhopher teria batido de forma violenta na criança, porque ela estava dançando. A menina estava de castigo por ter feito xixi na cama, pensou que o padrasto tinha saído e resolveu brincar enquanto a mãe dormia. O rapaz, ao ver a cena, espancou a vítima e a colocou no chuveiro frio, momento em que a mãe acordou.

O padrasto saiu de casa e, mesmo estando a 100 metros do hospital, Letícia não encaminhou a filha para ser socorrida. Ela chegou a contar em depoimento que a menina passou o dia na cama, sem reagir, e que chegou a dizer que não faria mais xixi na cama, numa demonstração de culpa pelo que aconteceu.

Christhopher e Letícia foram presos após a irmã dele socorrer Ana Lívia no final da tarde. O processo em que eles respondem segue no fórum. A defesa de Letícia já apresentou as alegações finais e o juiz espera os demais andamentos para definir se a dupla será julgada por um júri popular.

Agora na ordem cronológica dos fatos, em janeiro um gari foi alvejado por uma arma de chumbinho enquanto trabalhava no bairro São Sebastião. Ele foi socorrido e se recuperou.

Dois homicídios no mesmo dia

Outro crime cruel aconteceu com Raphael Messias Alves, de 30 anos, no dia 31 de março. Ele recebeu varias pauladas, na área central da cidade, e chegou a ser socorrido com vida, mas morreu no hospital.  Jonathan Vinicius do Rosário Venerando, de 19 anos, foi preso e confessou, alegando que Raphael teria roubado seu celular e carteira. Isso não ficou comprovado.

No dia 31 foi a primeira vez nos últimos anos que as polícias registraram dois homicídios distintos no mesmo dia. Naquela mesma noite Everton da Silva Teixeira, de 26 anos, foi executado no bairro São José.

Maria José Meireles

As brigas familiares também acabaram com a vida de Maria José Meireles, de 67 anos. O autor, seu genro, Lucas Oliveira da Silva, de 22 anos, incendiou a casa do próprio pai e da sogra. Antes de atear fogo na casa dela ele a matou. Depois tentou se suicidar, mas foi impedido.

Carol Sanches

A morte da poços-caldense Carolina Dias de Campos Sanches aconteceu em São Paulo, mas suas raízes na cidade fizeram a notícia tomar as ruas de Poços. Um caso claro de relacionamento abusivo que acabou se tornando tragédia, quando ela foi espancada e morta pelo ex-companheiro, Tiago Oliveira. O autor chegou a simular um suicídio e acionar o socorro, mas foi desmascarado.

Carol, como era chamada, não virou apenas um número, ela serviu de inspiração e agora empresta o nome para uma Organização Não Governamental (ONG), a Núcleo de Apoio à Mulher, cujo objetivo é o de apoiar mulheres que vivem em situação de violência doméstica, seja ela psicológica ou física.

Crime passional

Os crimes passionais ainda vitimaram um entregador em maio, Rafael da Silva Moraes, de 36 anos,  foi atraído para uma emboscada e lá levou sete facadas. Ao ser preso, Adriano Rubbo Rodrigues Rossi, de 38 anos, negou o crime, enquanto Júlio Cesar Apolinário, de 28 anos, confessou. Foi do telefone de Adriano que partiu a ligação para a padaria. Ele estaria se relacionando com a mesma mulher que a vítima.

Ônibus incendiados

Os crimes que chocaram foram além dos homicídios. Em junho, ataques contra ônibus de transporte coletivo e um barracão também chamaram a atenção. Em 3 de julho dois ônibus foram incendiados e um barracão de materiais recicláveis completamente destruído. 30 bombeiros trabalharam por cinco horas para extinguir as chamas, mas o combate ainda seguiu por várias horas para evitar que as chamas reacendessem. Com a atenção dos bombeiros voltada para a empresa, os ônibus queimaram sem que ninguém pudesse fazer nada.

Na manhã seguinte, quatro pessoas foram presas suspeitas do crime, descobertas por mensagens em aplicativos. A polícia chegou a encontrar imagens do bando durante os ataques. Outras quatro pessoas foram presas pela Polícia Civil, esquematizando novos ataques com ordens emitidas de dentro do presídio.

Operação Audacium

Uma das maiores operações do ano foi a Operação Audacium, que investigou e prendeu suspeitos do tráfico de drogas no bairro Vila Nova. Ela ainda foi além, combatendo os crimes de lavagem de dinheiro, prendendo familiares e amigos dos traficantes que emprestavam o nome para as transações bancárias e comerciais. Contas de bancos foram bloqueadas, imóveis e carros foram sequestrados.

A operação começou com a prisão de pessoas menores dentro da organização criminosa, mas tirou de circulação todos os membros da cúpula, que se sentiam intocáveis e estavam traficando, inclusive com um esquema de drive, ao longo dos últimos 20 anos.

Bebês asfixiados

Dois bebes morreram asfixiados este ano. Os dois casos aconteceram em julho. O primeiro, Luiz Felipe Tavares Fernandes, foi encontrado no berço, desacordado e entre as grades. O pai correu com ele para o hospital, mas ele já chegou sem vida e nem os 40 minutos de tentativa de ressuscitá-lo funcionaram.

Samuel de Oliveira Barbosa , de apenas cinco meses, se asfixiou em uma creche pública. Segundo o boletim de ocorrência, ele foi deixado na creche às 8h30 e colocado em um carrinho sem o cinto de segurança. A criança teria escorregado e enroscado o pescoço. A berçarista o encontrou desacordado às 9h40. O bebê foi socorrido para o hospital, onde permaneceu internado por 17 dias, até que a morte encefálica foi constatada.

Legítima defesa

Um bombeiro chegou a um ato extremo ao se deparar com ladrões dentro de uma residência onde ele prestava serviços de domador de cães em seus horários livres. Ele matou um dos criminosos ao ter sua vida e das demais vítimas em risco. O crime ficou caracterizado como legitima defesa.

Estupros

O aumento dos estupros no ano de 2018 foi revelados pelas estatísticas. O caso de uma adolescente estuprada pelo padrasto, que ainda filmou o ato, de uma mulher que seguia para o trabalho e o de uma criança de cinco anos foram os que mais chamaram atenção.

Assalto a supermercado

Um assalto na Zona Leste deixou a população horrorizada. Os criminosos renderam funcionários e clientes. Um dos assaltantes deu um tiro para o alto, a bala ricocheteou e atingiu a perna de uma cliente. A vítima foi socorrida e teve alta dias depois.

Lara Floriano

Nos últimos dias, a morte de uma jovem na Zona Oeste assustou a população. Lara Adélia Floriano, de 21 anos, foi golpeada três vezes, uma delas atingiu o pescoço e foi fatal. O primeiro suspeito negou desde o princípio e acabou sendo solto após a polícia encontrar provas de que realmente não era ele. O verdadeiro autor, Edmo Geraldo Junior, de 33 anos, que era namorado da vítima, foi chamado para um interrogatório na delegacia e, ao ser confrontado com as provas, acabou confessando. Ele alegou que estava com raiva da jovem porque ela estava furtando pertences da casa onde moravam para trocar em drogas.

O post RETROSPECTIVA 2018 | Ano foi marcado por feminicídios e crimes violentos apareceu primeiro em Poços Já Cidade.