O Governo de Minas Gerais inaugurou nesta quinta-feira (3), em Passos, o primeiro Centro Socioeducativo da região para a internação de adolescentes em conflito com a lei. O investimento do Estado para melhoria e retomada das obras, paralisadas em 2014, foi de aproximadamente R$ 2 milhões. A capacidade de atendimento é de 40 jovens do sexo masculino de até 21 anos.

Centro tem capacidade para receber 40 infratores (foto: Gil Leonardi/Imprensa MG)

O prédio onde funcionará o Centro Socioeducativo foi adaptado para atender às diretrizes do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). A unidade conta com oito alojamentos e três salas para oficinas, além de abrigar a Escola Estadual Neca Quirino. Paralelo ao ensino regular, os adolescentes participarão de oficinas de orientação profissional, esporte e cultura, além de acompanhamento pedagógico.

Para a subsecretária de Atendimento Socioeducativo da Secretaria de Estado de Segurança Pública, Camila Barbosa Neves, trazer os jovens em conflito com a lei para perto de seus familiares é um fator que ajuda na ressocialização.

“Ficamos muito felizes com essa inauguração porque, de fato, a região aguardava há muito tempo a inauguração desta unidade. A partir de agora, a perspectiva é de que esses jovens passem a cumprir a medida socioeducativa perto dos seus familiares, porque o vínculo local com a família e a sociedade é fundamental para a recuperação desses jovens da criminalidade”, afirmou.

As atividades socioeducativas, coordenadas pela Subsecretaria de Atendimento Socioeducativo (Suase), serão realizadas por uma equipe multidisciplinar com atendimento integral, mesclando atividades culturais, esportivas, profissionalizantes, escolares e artísticas. Os profissionais que irão trabalhar na unidade passaram por uma capacitação no final de 2017 para atuar na área técnica, administrativa e de monitoramento dos adolescentes.

Diferencial

Até então, os adolescentes da região em conflito com a lei eram encaminhados para os Centros Socioeducativos de Divinópolis, Juiz de Fora e Região Metropolitana de Belo Horizonte.  Segundo avaliação da Suase, quanto mais próximo de seu domicílio o adolescente cumprir suas medidas socioeducativas, maior será a possibilidade de alcançar o objetivo da ressocialização. A proximidade dos parentes e do local de residência é também uma orientação do ECA.

Fonte: Agência Minas