Os trabalhos de auxiliar de serviços gerais do goleiro Bruno Fernandes junto ao Corpo de Bombeiros em Varginha não duraram 15 dias. Ele foi dispensado das atividades na última sexta-feira (27). Fábio Gama, advogado do goleiro, acredita que a exposição do trabalho na mídia tenha sido fator determinante para a rescisão do contrato.

O goleiro trabalhou no quartel do 9º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar, mas foi dispensado com a justificativa de que “grande parte dos serviços terminou”. No entanto, para o advogado a corporação preferiu tomar a atitude depois da exposição da mídia, que levou muita pressão.

Em nota, o Corpo de Bombeiros disse que acredita na importância dos trabalhos de ressocialização e reeducação dos presos e que trata-se de um instrumento de afirmação da dignidade humana.