O goleiro Bruno Fernandes de Souza, condenado pela morte de Eliza Samudio, está prestando serviços junto ao Corpo de Bombeiros na cidade de Varginha. O ex-atleta e outros quatro detentos fazem serviços gerais.

Bruno estaria trabalhando como faxineiro há duas semanas, enquanto aguarda uma decisão judicial para cumprir o restante da pena em regime semiaberto. Em entrevistas concedidas à imprensa mineira o advogado dele, Fábio Gama, diz que o trabalho é temporário e atende o pedido de um oficial do 9º Batalhão, que tem parceria com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Bruno deixa o presídio às 7h e retorna às 17h30. Para ir e voltar do trabalho o Corpo de Bombeiros providencia o transporte.  Além disso, a prestação de serviço contribui para diminuir a pena do goleiro. Por cada três dias de trabalho, ele é beneficiado com um a menos na pena.

O trabalho foi autorizado pela 1ª Vara Criminal e Execução Penal, que considera “o trabalho de extrema importância para a reeducação e ressocialização do reeducando, tratando-se de instrumento de afirmação da sua dignidade humana e reinserção social”.

O caso

Bruno é condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo homicídio triplamente qualificado da mãe de seu filho, Eliza Samudio, além de ocultação do cadáver e sequestro, e cárcere privado do filho. A vítima desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi encontrado.